"Se as várias estimativas que temos recebido se concretizarem, em 40 anos ficaremos sem peixe"

- Pavan Sukhdev, economista e consultor da ONU, sobre o eventual esgotamento dos recursos piscícolas a nível mundial, em 2050 (In Visão 20/26 Maio 2010)

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Barragem de Alvito avança


A EDP, única concorrente, venceu o concurso de construção da barragem do Alvito. Devido à alteração do local da construção do paredão, o projecto apresentava-se um investimento potencialmente pouco interessante e com retorno a longo prazo, temendo-se até a ausência de propostas para a sua concretização. Fica de fora a ribeira do Alvito devido a esta alteração.

A empresa irá investir 268 milhões de euros, para uma potência de 136 MW, bastante superior aos 48 MW inicialmente previstos. A central terá capacidade de bombagem de água para montante, durante o período nocturno através da albufeira da Pracana, operada também pela EDP.
O espelho de água terá 22 quilómetros de comprimento, armazenará 209 milhões de metros cúbicos de água e irá inundar uma área de 789 hectares, prevendo-se o início dos trabalhos para 2010 e o primeiro enchimento em 2016.


A adjudicação está sujeita à confirmação pelo INAG da conformidade da proposta e dependente das autorizações ambientais, que na eventualidade de não serem obtidas, implicam a devolução parcial do montante da oferta apresentada.


Post´s relacionados: Parece que é desta, Alvito, novamente na corda bamba

sábado, 26 de julho de 2008

Amostras Vega Akada


A Vega lançou já este ano uma nova linha de amostras para a pesca de predadores no mar. Trata-se do modelo Akada, um jerkbait de 14 centímetros e 28 gramas de peso, que apresenta um design estreito e hidrodinâmico, seguindo as tendências actuais de amostras para mar.
Em acção de pesca, verificamos que o sistema de transferência das esferas de tungsténio, aquando do lançamento (TMS - Tungsten Moving System), traduz-se numa enorme vantagem. Este sistema permite lançamentos mais longos, sempre importantes independentemente da modalidade e com maior precisão, porque a amostra não muda de direcção durante o lançamento.

A sua acção oscilante e lenta permite ser facilmente detectada pelos predadores que procuram alimento nas camadas mais superficiais da água, tornando-se muito eficaz.
A Akada está disponível em doze cores seleccionadas, que satisfazem qualquer situação de pesca. Possuiu ainda um acabamento em verniz resistente à exigência da pesca de mar e anzóis triplos de mar, da marca Mustad, que dispensam qualquer apresentação.
Mais informações disponíveis no site da Vega.

terça-feira, 22 de julho de 2008

Achigã Dottie encontrado sem vida


Em Maio deste ano foi encontrado morto no lago Dixon - Estados Unidos, o maior achigã que o mundo já conheceu. Tratava-se nem mais nem menos que Dottie, uma fêmea que aparentemente morreu de causas naturais e em consequência dos esforços e desgaste da desova. Pesou então 19 libras - 8,600 kg.
Este peixe tinha já sido pescado pelo caçador de troféus californiano Mac Weakley em 2006, pesando na ocasião mais de 25 libras - 11, 340 kg, suficiente para pulverizar o actual recorde mundial. No entanto, como foi ferrada acidentalmente na barbatana dorsal (forma não aceite pela IGFA), Mac desistiu da homologação do peso e devolveu-a à água, mantendo-se assim o recorde de George Perry com 22 libras -10 kg, e já com 76 anos de idade.
Dottie, cujo nome é derivado de um ponto preto numa das suas brânquias, sendo por isso facilmente identificada, tinha já sido pescada em 2003 por Jed Dickerson, amigo de Mac Weakley, pesando na altura um pouco mais de 21 libras – 9,500 kg, ficando por isso aquém do recorde de Perry.
É notório que um peixe, neste caso o maior achigã conhecido do mundo, se torne numa personagem com um nome próprio e conhecida nos quatro cantos do planeta, onde quer que haja pescadores de achigãs.
Resta-nos a convicção que, mais tarde ou mais cedo se perceba o que esta espécie mexe com os pescadores. Curiosamente, hoje num programa de TV realizado a partir de Reguengos de Monsaraz, um dos pratos típicos apresentado por um restaurante da região, foi uma enorme travessa de “achigãzinhos fritos”, nitidamente abaixo da medida mínima legal de captura.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Os GT´s


O Giant Trevally (Caranx Ignobilis) conhecido pela abreviatura de GT, é provavelmente o peixe de água salgada mais poderoso e combativo do mundo. É possivel ser pescado com amostras de superfície, permitindo só por isso, um expectáculo de agressividade quando ataca os iscos artificiais, ganhando desta forma a alcunha de “destruidor de amostras”.
Podem com frequência ultrapassar os 50 quilos de peso, para 1,60 mts de comprimento. Encontram-se nas zonas tropicais dos oceanos Índico e Pacífico, existindo alguns paraísos referenciados pelos fanáticos da sua pesca, como as ilhas Seicheles, o Hawai, as ilhas Marianas ou a Austrália.
As técnicas usadas vão desde as amostras de superfície ao jigging, com material pesado.
Curiosamente, este peixe pertence à família dos carangídeos e por isso um parente do nosso conhecido carapau, sendo também denominado por “Carapau Gigante”.
Pena que só habite as zonas tropicais e por isso os locais onde abundam fiquem tão longe de nós, não fazendo parte da nossa fauna piscícola marítima. No entanto, pelo seu desportivismo, tem direito a estar referenciado no blog!
Aqui ficam alguns vídeos sobre a sua pesca.

Video Nomad Sport Fishing (clique no símbolo de Play, ao fundo da imagem)

terça-feira, 15 de julho de 2008

Liberdade também no mar

video

O verdadeiro pescador desportivo não é o que captura mais peixes, nem o que os exibe em quantidade por todos os locais públicos, sejam reais ou virtuais.
O verdadeiro pescador desportivo é aquele que trata os adversários com gratidão e respeito, pelos momentos de adrenalina que estes lhe proporcionaram e não os vê apenas como mais algumas possibilidades de exercer os seus dotes culinários.
Apesar do robalo ser um peixe cobiçado no prato e por isso também de elevado valor financeiro, (tentador, para alguns apanhadores de peixe – não pescadores) e alvo de muitas prescrições gastronómicas, nós achamos que a maioria deve sobreviver às nossas capturas, porque só assim poderemos dar continuidade àquilo que gostamos de fazer.
Aqui fica um pequeno filme da libertação de um robalo, de tamanho bem acima da medida mínima legal.
A maioria dos que capturamos, foi libertada nas mesmas circunstâncias…

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Contrastes


“Com um isco de mentira, se pescam peixes de verdade”, como dizia Shakespear.

Contrastes entre dois desses “iscos de mentira”, dos que uso nas pescas que faço.

Em cima, uma amostra que utilizo para os predadores de mar, com 15 centímetros, da Vega.

Em baixo, uma de 3,5 centímetros da Strike King, que utilizo para a pesca às trutas, nas ribeiras da região.