"Se as várias estimativas que temos recebido se concretizarem, em 40 anos ficaremos sem peixe"

- Pavan Sukhdev, economista e consultor da ONU, sobre o eventual esgotamento dos recursos piscícolas a nível mundial, em 2050 (In Visão 20/26 Maio 2010)

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

A cavala


A cavala do Atlântico (Scomber scombrus) é um peixe bem conhecido dos pescadores de água salgada. Pertence à família dos escombrideos, tal como os atuns. São ferozes predadores e pouco selectivos, aproveitando tudo o que é comestível para saciar o apetite, motivado pelo seu movimento constante e por isso exigente, em termos energéticos. São extremamente velozes, o que quer dizer endiabrados lutadores, quando presos numa linha de pesca. Alguns peixes desta família têm a possibilidade de recolher parte das barbatanas no interior do corpo para diminuir o atrito na água, quando nadam a grande velocidade.
O corpo é fusiforme e hidrodinâmico, denotado aptidão para a velocidade. O dorso é esverdeado/azulado, com riscas em azul escuro, sendo a zona ventral quase branca. A cauda é francamente bifurcada. Podem atingir os 60 centímetros e quase três quilos e meio de peso. No entanto, uma cavala comum pesa entre as duzentas e as seiscentas gramas.
Formam grandes cardumes, constituídos por milhares de indivíduos, alimentando-se muitas vezes junto à costa, no período mais quente do ano.
Pesca
A cavala é dos peixes mais fáceis de pescar, quando se encontra próximo da costa, sendo uma boa espécie para os iniciados que rapidamente se contagiam com a sua espectacular luta. Como são pouco selectivas, atacam qualquer género de isco, incluindo os artificiais, como zagaias pequenas, colheres e amostras duras que imitam peixes.
Pescada à pluma com streamers e outras imitações de peixes é simplesmente uma das espécies mais acessíveis e lutadores que um mosqueiro pode encontrar nas nossas águas costeiras.
Como são fáceis de pescar e se movimentam em grandes cardumes, facilmente se cometem exageros por parte dos pescadores. Pode parecer que existem em grande quantidade, mas o que é certo é que se não se verificar uma consciência preservadora da nossa parte, em breve lhes acharemos a falta, como aconteceu com o seu parente atum, nas águas do Algarve.

3 comentários:

decolando disse...

Familia extensa, Gomes, o trombeta tb pertence a ela, veja só. rs
A Cavala é um peixe muito bom de pescar com artificiais, tomadora de linha.
Grande abraço

S. Ferreira disse...

Actualmente as cavalas não correm qualquer risco, GT.

São uma praga.

Como a indústria conserveira está quase extinta, e não podem ser canalizadas para este fim, acredita que cada vez há mais.

Um abraço,

José Gomes Torres disse...

Olá Sérgio!
Ainda bem que não!!! Já chega todos os outros que conhecemos. No entanto é quando as espécies não correm perigo que se devem avisar as pessoas para a sua preservação, porque depois é tarde e muito mais dificil...
Aliás, os atuns que referi no texto, também eram uma praga à 50 anos atrás e hoje, quando se apanha um é dia de festa! Era de tal ordem essa praga que até servia de adubo para fertilizar os campos, depois de moído...
Hoje teme-se a sua extinção.
Abraço!
GT