"Se as várias estimativas que temos recebido se concretizarem, em 40 anos ficaremos sem peixe"

- Pavan Sukhdev, economista e consultor da ONU, sobre o eventual esgotamento dos recursos piscícolas a nível mundial, em 2050 (In Visão 20/26 Maio 2010)

domingo, 18 de janeiro de 2009

Licença de Pesca para Águas Interiores no Multibanco

Pela primeira vez, em trinta anos de pescador licenciado, tive a possibilidade de ter em meu poder a Licença de Pesca Desportiva para Águas Interiores, no primeiro dia de Janeiro. Ao contrário do que acontecia até aqui, já é possível pescar legalmente no primeiro dia do ano.
Como precisei de ir ao Multibanco nesse dia, aproveitei e testei eu próprio a funcionalidade desta nova fórmula mágica. Chegar ao menu da Licença de Pesca em Águas Interiores é relativamente fácil, embora com a quantidade de serviços que se podem obter no Multibanco actualmente, o monitor está cada vez mais cheio, o que nos exige mais tempo até descobrirmos a localização daquilo que nos interessa. Se tiver dúvidas sobre este assunto consulte este post que tem um link para a TV Natur sobre o tema.

Mas nem tudo são maravilhas.
* Em baixo, no talão pode ler-se “Obtenha 2º via no CA-MB durante 60 dias ou na AFN após este período”. De facto esta informação baralha as pessoas que ficam sem perceber se têm que obter um comprovativo definitivo (a tal 2º via) sendo o talão provisório para os referidos 60 dias. Em esclarecimentos com a AFN, recebi o mail que transcrevo:

"Em resposta à mensagem de V. Ex.ª, cumpre-nos informar de que o talão do Multibanco constitui a licença de pesca, a qual é válida até 31 de Dezembro de cada ano.
Para a eventualidade de perder o referido talão, ou do mesmo se danificar, pode obter 2.ªs vias do mesmo (tantas quantas desejar) através da Cx. MB, tal como de qualquer outro talão, durante os 60 dias seguintes ao da operação. Para o efeito deve utilizar o mesmo cartão bancário com que foi efectuada a operação original e;
- Seleccionar a operação "Consultas";
- No ecrã seguinte seleccionar "Consulta de Oper. do Cartão no MB";
- De seguida, seleccionar "2.ª Via de Talão MB";
- Introduzir a data da operação original (dia e mês) e confirmar;
- Seleccionar a operação em causa."
Mas, acrescento eu, o mais provavel é perder ou especialmente danificar o talão, após o prazo dos 60 dias... e depois tenho mesmo que ir à AFN, não é?
E tenho mesmo que decorar a data da operação original??? Já tenho tanta coisa para decorar, bolas...
* O tamanho do talão é francamente desproporcionado e não cabe em qualquer carteira sem ser dobrado. Isto leva a que na zona da dobra as letras desapareçam com facilidade porque este papel não foi pensado para andar um ano no bolso dum pescador. Na minha Licença, que foi dobrada ao meio, a dobra coincide com o tipo de Licença, o que me pode trazer problemas se for encontrado a pesca no Algarve.
* É mau afastarem-se as pessoas dos serviços públicos e do contacto com as entidades que gerem os nossos recursos naturais. Dá ideia da ausência da autoridade, era das poucas vezes que se via um Guarda Florestal...
* Persiste a sensação de que o objectivo é apenas sacar o dinheiro aos contribuintes e ter o menos possível de trabalhadores na Administração Florestal, para aligeirar as despesas com a Função Pública.

Às vezes quando se consegue uma coisa que nos parece fácil, coloca-se em causa várias outras que não nos lembramos, mas que de mais cedo ou mais tarde, nos será MUITO MAIS DESFAVORÁVEL.
Se não for para nós, será para os nossos filhos.

2 comentários:

junior disse...

Amigo Gomes,
Outros amigos residentes em Portugal sempre me relatam bastante burocracia nos processos e obtenção de documentos. Mas a licença até que é relativamente simples, vá lá (risos).
Minha licença de pesca também é "comprada" pela internet e pode ser adquirida em poucos minutos e alguns clicks de mouse.
O que talvez seja diferente é que aqui ninguém fiscaliza pra saber se o pescador tem licença ou não, triste.
Um grande abraço

José Gomes Torres disse...

Nem isso é diferente, amigo Junior!
Por cá, o estado limita-se a recolher o dinheiro das licenças e a usá-lo para tapar buracos financeiros surgidos inesperadamente.
Nem gasta dinheiro para fiscalizar!!!! Um abraço.