"Se as várias estimativas que temos recebido se concretizarem, em 40 anos ficaremos sem peixe"

- Pavan Sukhdev, economista e consultor da ONU, sobre o eventual esgotamento dos recursos piscícolas a nível mundial, em 2050 (In Visão 20/26 Maio 2010)

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

O Jig


Um quê ? …
Jig… Isso mesmo. Pronuncia-se como se lê, sem entoação nenhuma! Não são muitos os pescadores que o usam, mesmo quem pesca com mais frequência e mesmo quem pesca embarcado.
Fisicamente um jig é bastante simples. Trata-se dum anzol, relativamente forte e grande, (geralmente entre os tamanhos 3/0 e 5/0) tendo junto à argola onde se empata o fio, um pedaço de chumbo em forma cónica ou esférica, habitualmente pintado. A amostra fica completa com um conjunto de finas tiras de silicone ou borracha, a que habitualmente se dá o nome de “saia” e com um dispositivo constituído por filamentos de plástico rijo que saem da “cabeça” de chumbo em direcção ao bico do anzol, sobrepondo-se ao mesmo. Este dispositivo denomina-se “anti-erva” e tem o importantíssimo papel de reduzir ou evitar que o anzol se prenda pelos sítios por onde passa, mesmo na vegetação e arbustos mais densos que possam existir.
Recentemente muitos jigs vêem equipados com um pequeno tubo colado ao corpo do anzol, com algumas esferas metálicas, com o fim de produzirem sons de forma a que o isco seja mais atractivo e ao mesmo tempo, mais facilmente localizável em condições de água mais barrenta ou menor luminosidade.
Este isco tem no entanto a particularidade de raramente se usar por si só. Ou seja, quase nunca se utiliza para pescar tal como foi descrito anteriormente. Normalmente utiliza-se com um “atrelado” que, tal como o nome sugere (dando a ideia que é rebocado), é aplicado na zona mais direita do anzol, que o veste e compõe para que fique mais atractivo pelo movimento, cor e sabor que se lhe adiciona.
Quanto aos pesos que habitualmente se utilizam, tenhamos em conta que nesta forma de pescar todo o material é peso-pesado. Os mais utilizados são os de 10 a 15 gramas.

Atrelados ou “trailers”
Nesta parte dos atrelados ou “trailers” como dizem os americanos, não existem regras, sendo o limite a nossa imaginação.
No entanto, o atrelado mais utilizado com o jig, é o courato de porco. Trata-se de um pedaço de pele de porco e alguma gordura, que pode ter vários formatos e cores. Os mais comuns têm a forma de pernas de rã - “pork frog” ou de lagostim - “pork craw”.
Estes atrelados como são fabricados com uma matéria perecível, são adquiridos em pequenos frascos onde estão mergulhados num líquido que os conserva. É de evitar porém, que fiquem sujeitos a altas temperaturas de Verão e mesmo assim têm algum tempo limite de conservação. Esta combinação do jig com o atrelado de courato de porco, é conhecida geralmente na gíria dos achiganistas por “jig-and-pig”.
Actualmente os atrelados em plástico mole são mais utilizados, tendo como base os lagostins e minhocas. Para além destes, nada nos impede de utilizarmos outros atrelados, como seja uma minhoca com a cauda mais comprida e ondulante ou até uma salamandra de plástico.
Nos últimos anos surgiu no mercado a combinação do courato de porco com um isco plástico. O resultado é um isco com a forma de um courato de porco - geralmente na versão “frog”, mas fabricado em plástico mole, que por questões de durabilidade têm vindo a ganhar adeptos entre os pescadores, também em boa parte devido à comodidade de utilização.

4 comentários:

decolando disse...

Gomes, meu querido.
Outro dia estava a ver, por um amigo que em portugal mora, uns streamers de fly. Fiquei surpreso pois são bem diferentes dos que utilizam por aqui.
Os Jigs aqui no Brasil são obrigatórios em todos estojos de iscas do pescador esportivo. São utilizados com anti enrrosco ou não, na pesca de praticamente todo peixe predador, dos robalos aos tucunares.
Os meus não tem mais utilidade pra mim. rss
Abraços

José Gomes Torres disse...

Caro Junior,
Pois eu continuo a dar-lhes utilidade na pesca do black bass!
Apesar de gostar muito de fly, não abdico de lançar uma isca dentro de num molho de paus e sacar lá de dentro um black dos grandões!!!!
Cada coisa tem o seu valor!
Um abraço deste lado do Atlântico,
GT

S. Ferreira disse...

Actualmente estão a utilizar-se uns jigs idênticos no mar (salty rubber) que apanham robalos, pargos, lírios, anchovas, etc.
É uma grande amostra.
Já agora, que líquido colocas nos frascos de couratos, para compensar o que vai desaparecendo?

Um abraço,

José Gomes Torres disse...

Olá Sérgio!
Nunca precisei de adicionar líquido aos couratos para repor o nível. Como o frasco está sempre fechado, nunca dei conta que evaporasse.
Mas penso que se adicionares água, não há qualquer problema porque por princípio, o que evapora é só a água, os restantes ingredientes mantêm-se.
Um abração.
GT