"Se as várias estimativas que temos recebido se concretizarem, em 40 anos ficaremos sem peixe"

- Pavan Sukhdev, economista e consultor da ONU, sobre o eventual esgotamento dos recursos piscícolas a nível mundial, em 2050 (In Visão 20/26 Maio 2010)

quinta-feira, 5 de março de 2009

Abertura às trutas

Uma truta fário
No domingo passado, depois de mais um grande período de expectativa, aconteceu o primeiro dia de pesca à truta desta temporada. Desta vez, escolhemos um dos melhores rios truteiros nacionais, relativamente perto de nós, o Côa.
O nosso amigo ML tinha preparado um roteiro completíssimo, com acessos e zonas de pesca.
À chegada, os carros eram já mais que muitos junto ao rio, denunciando mais pescadores do que peixe.
- Bom como vamos “plumar”, damos tempo a quem já vai à nossa frente que se afaste mais e deixe os locais um pouco mais sossegados até à nossa chegada. Pode ser que alguma se engane…. acrescentei.
O rio estava com um óptimo caudal, mas a água estava extremamente límpida, denunciando que as trutas estavam bem escondidas nas raízes dos amieiros que ladeavam as magens.
Troço terminado a meio da manhã e sem quaisquer resultados. Os pescadores que entretanto passaram por nós estavam com a mesma frustração.
- E se tentássemos outro troço, desta vez a spinning, porque se consegue lançar mais próximo das margens opostas e apesar de tudo, uma colher é mais visível que uma pluma. Pode ser que alguma mais escondida, saia da toca para atacar o engano…
- Bora a isso… ouvi já de dentro do carro…
Troço terminado e nada…outra vez! Nem vestígios delas. Mas as margens estavam bem pisadas, evidenciando que a abertura dessa época já tinha começado algum tempo antes.
- Bolas, parece temos que ir ao viveiro de Quadrazais, que por acaso, até fica em caminho…
- Acho bem, senão nem lhe vimos a cor, responde o ZP.

Aí vamos nós.
Agora sim, aqui há trutas! No acesso ao nosso local, vemos imediatamente algumas junto à margem, que têm seguramente mais de meio quilo. São bem maiores do que da última vez que cá vim. E aparecem também algumas fário, o que não acontecia também na minha última visita, já lá vão uns bons anos...
O ZP para variar, apanha uma das grandes que pesou na balança da piscicultura, 885 gramas.

Uma truta arco-iris, a maior da jornada
Enquanto lutava com ela, surgiu outra maior ainda, que tentava roubar a pluma da primeira, enquanto arrastava um pedaço de nylon com mais de meio metro, enfeitado com vários chumbos de trincar… Devia ser a Moby Dick lá do sítio… com cerca de um quilo e meio...
Valeu-nos este pedaço do dia.
Lamentavelmente, constatamos mais do mesmo. Pagamos uma licença para obter um benefício que depois não nos é facultado.
O Estado arrecada o dinheiro das nossas licenças e não faz nada para nos retribuir. Não há qualquer retorno para o pescador, do dinheiro dispendido nas licenças de pesca.
O Estado não fiscaliza, não repovoa, não faz o que é suposto fazer e que esperamos de uma entidade de bem.
- A não ser abortar leis de pesca, completamente estapafúrdias e que não servem os peixes e muito menos os pescadores…

9 comentários:

Anónimo disse...

Boas Gomes Torres.

Os anos vão passando e a ladainha é sempre a mesma.

“Para onde vai o dinheiro que pago pela minha licença?”

Mudam-se leis, aumenta-se coimas, etc, etc….e tudo poderia ser tão simples:

Uma palavra “FISCALIZAÇÃO”…

Mas que se pode fazer? Temos 3 revistas de pesca nas bancas, que se só se preocupam com os Crank da moda e coreana fresquinha.

É o que temos.

Um grande abraço,

Nunocao
Nuno Correia

junior disse...

Querido amigo Gomes,
Que bela truta, parabéns ao pescador. Um amigo de Patais não teve a mesma sorte na abertura da sua temporada.
Quanto às leis, prefiro nem comentar.
Um grande abraço.

Fenix disse...

Grande Truta Arco Iris!!!
Que belo nome!
Gosto de Truta e gosto de Arco Iris!

:-))

Parabéns ao ZP e ao pai (babado) do ZP!

Beijinhos
São

ZeNeR disse...

Quem sabe sabe... eheheheh
Aquilo é fixe,a porra é que cada uma das que eu apanho são quase 5€! Temos de pegar numas e meter numa charca. Isso sim era serviço!
Deixavamos as bixas ficar ai com 2kg e depois iamos lá esticar a guita! ihih

Ivan Ignacio disse...

Muy buen blog! Me gusta la pesca asi que voy a pasar seguido.
Que lastima que no tenes la opcion "Seguir este blog".

josé custódio disse...

boas amigo!!

Já vi que a abertura podia ter sido melhor!!
pois é amigo eu tambem se queria ter tirado umas trutitas na abertura devia ter ido ó viveiro!!
Eu acabei por ter que ir para a barragem do caldeirão pois o rio aqui leva demasiada água a ver se enganava alguma mas fiquei em branco.
Valeu ter ainda visto umas trutitas bem cresçiditas para saber que as por lá continuam á haver,pena só tenho é que todas as que vi já tinham o destino que nós bem sabemos qual era traçado!!
Este domingo de manhã já lá volto para mais um jornada plumeira pelo caldeirão á fora,desta vês só mesmo com stremears só para ver se elas querem as couves!!

Um gande abraco para voçes!!

José Gomes Torres disse...

Nuno,
É verdade, continuamos na mesma ou pior... Não se vê melhorias a não ser para quem recebe o dinheiro sem ter que dar nada em troca. É o que se chama um grande negócio.
Junior,
Caro amigo isto já não tem a ver com sorte mas sim com capacidade monetária para pescar...Infelizmente...
Fénix,
As trutas arco-iris são de facto peixes muito bonitos! Mas as fário também não ficam atrás e ganham em fazer perder a paciência aos pescadores porque são dificeis de pescar :-)
Zener,
Não falo com sortudos!
Hola Ivan,
Lamentavelmente não tenho tido o tempo que gostaria para acompanhar as evoluções do Blogger. Obrigado pela sugestão. Um saludo!
Custódio,
De facto podia ter sido melhor! Mas ninguém se aleijou, o que já é bom! Esta semana não vamos, porque eu estou de "castigo".
Um abraço a todos!

S. Ferreira disse...

Ainda acreditas no Pai Natal, GT?
Não há melhoras!
Espera ainda pela pancada da guerra aos "exóticos"!

*As trutas são bem bonitas.

Um abraço.

José Gomes Torres disse...

Olá Sérgio!
Já não tenho idade para acreditar no Pai Natal, não achas????
Aliás, nunca acreditei em histórias mal contadas.
A gestão dos recursos piscícolas é desde há muito, mais uma delas. Infelizmente, os contadores não têm jeito, nem se esforçam para que acreditemos neles...
A conversa dos exóticos está bastante mal contada. Eles não protegem os autóctones como vão acabar com os exóticos?
A menos que contem com os pescadores que aprenderam a pescar fêmeas na desova, para acabar com os achigãs!!!!!!!!
Abraço.